quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Menina não moça quer ser poetisa.


Trago entre minhas carícias,
os arranhões das unhas mal feitas.
Rezo alto,
comento ao alheio que minha paciência é corajosa.
Fátima de Lurdes me ensina a ser de saias curtas.
A minha cor é do tipo lasciva,
o meu olhar sai dos decotes libidinosos.
Forço nos lábios um cigarro e caminho pra ser vida,
vista, víscera, vítima.
Recomendo meu corpo ás suas excitações tácteis.
- Nasci para ser sentida pixote!.
- Comido os biscoitos, lamberei os farelos que restam nos dedos.
Simbiose consumida, rezo feito freira que masturba padre e se arrepende.
Faça de conta que isso é poético.



-Ciranno Gonzálles-

3 comentários:

Rafaela Nogueira disse...

"A minha cor é do tipo lasciva,
o meu olhar sai dos decotes libidinosos.
Forço nos lábios um cigarro e caminho pra ser vida,
vista, víscera, vítima."

S2!!!

Déh disse...

- Comido os biscoitos, lamberei os farelos que restam nos dedos.

nossa hein! hein? hein? hihi

C. L. DeMedeiros disse...

coloquei esse nome no google e não acusou o nome.
vc deveria investir mais nisso e' forte e bom
poesia e' diamante que se lapida todo dia a vida inteira
fiz 3 poesias hoje
essa que vc leu aqui fiz de madrugada, nnao conseguia dormir